23/05/2017

Mercado de jogos no Brasil movimentaria R$ 63 bilhões ao ano

O deputado federal Herculano Passos apresentou os impactos positivos do jogo na economia durante o 59º Congresso Nacional de Hotéis (Conotel)

Durante o 59º Congresso Nacional de Hotéis 2017 (Conotel), que aconteceu de 17 a 19 de maio em São Paulo, o deputado federal Herculano Passos, presidente da Frente Parlamentar em Defesa do Turismo (Frentur), falou sobre os efeitos positivos do jogo na economia. Com a tributação estipulada nos projetos de legalização discutidos no Senado e Câmara atualmente, a estimativa é de uma arrecadação de quase R$ 20 bilhões ao ano com a atividade, sem contar outorgas e taxas.

Deputado Herculano Passos durante o Conotel 2017

O mercado do jogo movimentaria cerca de R$ 63 bilhões ao ano, representando 1% do Produto Interno Bruto do País. O assunto foi abordado pelo parlamentar, durante o evento promovido pela Associação Brasileira da Indústria Hoteleira (ABIH Nacional). “O potencial do mercado de jogos é de 1% do Produto Interno Bruto do país. Em 2016, nosso PIB foi de R$ 6,3 trilhões, assim, o potencial de mercado anual seria de R$ 63 bilhões. A média da tributação mundial do jogo é de 30%, o que daria ao Brasil uma arrecadação anual de R$ 18,9 bilhões em tributos com este setor, sem contar as outorgas e taxas”, estimou o Herculano.

Argumentos rasos 

Um grande argumento de grupos que são contra a legalização no Brasil, como o Movimento Brasil Sem Azar, é que o jogo agravaria os problemas de corrupção e lavagem de dinheiro no país, além de aumentar os casos de ludopatia (vício no jogo). Nos países onde o jogo já é legalizado, como os Estados Unidos, as operadoras de cassinos devem destinar 2% de suas receitas para o auxílio aos viciados ao jogo. Além disso, jogadores que apresentam comportamento compulsivo são banidos das casas de jogo.

Movimento Brasil Sem Azar é contrário a regulamentação do jogo

Se tratando de casos de corrupção, eles acontecem apenas em países onde o jogo não é regulamentado, ou que possuem uma legislação “frouxa”. Nenhum exemplo é melhor que o do Brasil. Como ressaltou o deputado federal durante o Conotel, o jogo ilegal acontece todos os dias no Brasil, movimentando quantias gigantescas. “Só o jogo do bicho movimenta cerca de R$ 12 bilhões ao ano. Já, os cerca de 300 bingos clandestinos, movimentam R$ 1,3 bilhão, as máquinas caça-níqueis fazem girar na economia do jogo ilegal R$ 3,6 bilhões e o jogo online, que é proibido também, arrecada R$ 3 bilhões anualmente. Ao todo, as apostas ilegais movimentam R$ 19,9 bilhões no Brasil”, ressaltou o parlamentar.

Perdas no turismo 

A falta de regulamentação do jogo no país, e principalmente a impossibilidade da instalação de grandes resorts-cassino, faz o turismo brasileiro perder (e muito). Apenas para se ter uma ideia, Las Vegas recebe 40 milhões de turistas ao ano, e o Brasil apenas 6 milhões. Outra grande potência dos cassinos, Macau recebe 30 milhões de turistas estrangeiros por ano.

A Bahia é um dos grandes destinos turísticos do Brasil

Os cassinos não são apenas atrativo para grandes apostadores estrangeiros, mas também para o próprio turismo interno. Áreas de com belezas naturais receberão infraestrutura de hotéis/resorts 4 ou 5 estrelas, possibilitando que sejam comercializados pacotes de viagem ainda mais atrativos para regiões como o nordeste, Rio de Janeiro, e Santa Catarina. Clicando no botão abaixo você pode abrir uma conta no site Vera&John e ganhar de graça (sem exigência de qualquer depósito) R$ 30 para começar a jogar online!

Jogue com R$ 35 grátis (sem depósito)